sábado, 21 de agosto de 2010

OPINIÃO: QUEM SALVA O RIO TEJO?

Rio Tejo junto às Portas de Ródão - Foto de José Murta
Olhando da encosta, deparamos com a paisagem bela e sensível do rio das nossa vidas, que corre lá no fundo, já não leva aquela pressa de outrora, para chegar a Lisboa, agora vai mais devagar, como que se nos quisesse olhar nos olhos e dizer algo, mas nós homens e mulheres que habitamos as suas margens há muito tempo que sabemos da sua lenta agonia, que nos vai também consumindo em cada dia que passa, porque todos sofremos, e os efeitos são nefastos na fauna, flora, pesca e na economia local das zonas ribeirinhas, e quem não pensa assim é gente que nunca conviveu de perto com este ser vivo, que é o nosso Rio Tejo!
Mas como é possível, este rio estar a morrer, assim lentamente e não podermos fazer nada para o salvarmos? O crime está acontecer do outro lado da fronteira, com a construção de um conjunto de transvases (canais artificiais de desvio de água, em grandes quantidades), para abastecer todo o sistema agrícola da região estremenha, e o não tratamento das aguas residuais (ETARS que não funcionam ou simplesmente não existem), mas o mais grave é o não cumprimento do acordo em relação aos caudais mínimos ecologicamente sustentáveis, e que Portugal, através do Ministério do Ambiente, há muito deveria dizer em voz alta que, BASTA!, e accionar todos os mecanismos ao seu alcance para travar esta sangria que estão a fazer, a um importante pólo turístico, ambiental e sobretudo económico-social, de uma vasta região do nosso país.
A divulgação e salvaguarda desta massa de agua doce, que é o nosso Rio Tejo, deve começar nas autarquias, que através das Assembleias Municipais, há muito tempo deviam de ter aprovado uma moção, puramente com cariz politico, dirigido aos altos representantes da nação, para alertar as suas consciências adormecidas, para esta tão grave situação que se vive nas zonas ribeirinhas do Tejo.
Mas o mais caricato é a situação porque passa o castelo de Almourol, em que a quantidade de agua que o rodeia é tão pouca, que se pode ir a pé visitar o monumento, que outrora só tinha acesso de barco. Ver para crer, como São Tomé.
Por isso, É URGENTE SALVAR O NOSSO RIO, O RIO TEJO!
JOSE LEANDRO LOPES SEMEDO

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Festejos populares em honra da Senhora da Sanguinheira

Amieira do Tejo vai estar em festa nos dias 10, 11 e 12 de Setembro, com evocação de Nossa Senhora da Sanguinheira. O lucro dos festejos revertem a favor do restauro das telas da Capela do Calvário, um objectivo só por si meritório e a justificar uma visita a Amieira do Tejo.
PROGRAMA DAS FESTAS
Sexta-feira, dia 10

21 h – Abertura dos festejos e quermesse
Baile com Daniel González
23h – Actuação do grupo de música popular “Modas de Ródão”
Continuação do baile pela madrugada fora
Sábado, dia 11
21h – Procissão em honra de Nossa Senhora da Sanguinheira desde a capela até à Igreja Matriz
22 h – Início do arraial e quermesse com o duo musical Divinal
23h – 6050Fashion 2010
Continuação do baile até de madrugada
Domingo,12
10h – Peditório da colcha com acompanhamento da Banda Filarmónica Rossiense (Rossio ao Sul to Tejo – Abrantes).
18h – Missa solene na Igreja Matriz seguida de procissão com a imagem de Nossa Senhora da Sanguinheira pelas principais ruas da vila, seguindo para a sua capela.
21h – Início do arraial e quermesse
Baile com o organista Nuno José
23h – Actuação do grupo popular “As Cotovias” (Comenda)
24h – Entrega da bandeira à próxima comissão.
A organização lembra que haverá frangos assados para fora e outras iguarias tradicionais.

domingo, 8 de agosto de 2010

Recuperação das telas da capela do Calvário de Amieira do Tejo

Caros Amieirenses, amigos da Amieira e não só… Todos os outros saberão com certeza que é a eles que também me dirijo.
Pois é!.. Cá estou eu novamente com o assunto: as telas do calvário de Amieira do Tejo, mas desta vez não à procura de uma entidade que queira ajudar à sua recuperação nem mesmo do “tal” mecenas que tantas vezes procurei, mas nunca encontrei!
O que sim me trás a vós é mostrar a minha enorme satisfação e grande alegria que obtive através de uma noticia que li no jornal de Nisa no qual dizem que: as festas em honra de Nossa Senhora da Sanguinheira de Amieira do Tejo realizam-se este ano nos dias 10, 11 e 12 de Setembro e têm por objectivo a angariação de fundos para a recuperação das telas do calvário, só posso dizer que como filha desta terra não coube em mim de contente e acredito que como eu muitos mais, pois como sempre disse: o nosso património faz parte da nossa história, das nossas raízes e é no fundo aquilo que um dia mais tarde cá deixamos, ele faz parte de nós, e como tal compete-nos a todos ajudar, uma vez que as entidades competentes nada fazem para salvar o nosso património, a nossa história, seremos então nós os ditos “cidadãos anónimos” a fazer-mos algo por aquilo que é nosso, por aquilo que nos pertence!
Desde já quero enaltecer e agradecer esta atitude por parte da comissão que organiza os festejos da freguesia, em meu nome, e em nome de todos os outros que são muitos, o nosso muito obrigado.
E sendo nós muitos apelo então para que estejam presentes nos festejos de verão para que deste modo todos juntos possamos angariar uma grande quantia de “euros” para que seja possível a recuperação das telas do calvário.
Gostaria também de frisar que um “donativozinho” extra vindo por parte de todos nós, mesmo pouco que seja também já ajudava à festa, pois do pouco se faz muito.
P.S: Ao cuidarmos e salvarmos o nosso património só estamos a valorizar e a enriquecer as nossas aldeias, vilas e cidades, e é isso que vamos fazer com Amieira do Tejo, e a certeza que eu tenho é que a sensação que vamos sentir é que esta aldeia tem e vai ficar com um património mais rico, e sendo Amieira uma aldeia histórica vamos então preservar a sua história!
Sem mais assunto subscrevo-me deixando o meu muito obrigado e um grande Bem Hajam a todos os que estão disponíveis em ajudar, muito em especial à comissão se festas.
Ana Paula Mendes Nunes da Conceição Horta