quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Festas de Nossa Senhora da Sanguinheira animaram Amieira

Foi nos passados dias 7, 8 e 9 de Setembro de 2012 que se realizou em Amieira do Tejo mais uma das mais bonitas festas em homenagem à Nossa Senhora da Sanguinheira. Foram muitos os que quiseram marcar presença nestas festividades, trazendo consigo o melhor de si… sorrisos, abraços, histórias e muito sentimento à mistura.
As festas decorreram como habitualmente acontece todos os anos, havendo uma ou outra novidade para surpresa de todos, como a deste ano que foi a primeira prova de resistência de motos 50 c.c., o que agradou a todos os amantes das duas rodas e não só… pois proporcionou a todos os que quiseram assistir a momentos de muita emoção, com muitas gargalhadas e adrenalina à mistura.
Tivemos também a tradicional tourada à vara larga onde os mais afoitos deram largas à sua imaginação e nos proporcionaram a nós, espectaculares e agradáveis momentos tauromáquicos. Houve ainda os tradicionais bailes que se seguiram pela noite dentro, com muita música para nos animar a alma e o coração, fazendo-nos esquecer um dos momentos em que todos nós se encontramos com toda a "crise" que por aí vai… e entre copos, danças, sorrisos e abraços lá iam convivendo cada um à sua maneira vivendo e saboreando da melhor forma e aproveitando ao máximo cada momento desta maravilhosa festa de Amieira que nos proporciona a todos encontros tão esperados entre amigos e familiares que só nesta altura se juntam para matar saudades… e como não podia deixar de acontecer, pois sendo esta a razão de toda esta festa deu-se a tão aclamada procissão em Honra de Nª Srª da Sanguinheira a padroeira de Amieira do Tejo.
Como não podia deixar de ser, os momentos vividos foram de muita emoção… entre as tristezas que cada um carrega também houve lugar para a alegria, há os momentos de encontros e também os de desencontros que o destino se encarregou de nos dar, mas o propósito ali, naquele mágico e celeste cortejo é só um… o amor, a nossa senhora, a fé que cada um tem dentro de si e o desejo de que a sua súplica seja ouvida e atendida por Nossa Sra. Da Sanguinheira.
E foi assim que tudo terminou… ao fim da tarde de Domingo debaixo de um céu que mais parecia um manto azul que cobria Amieira que todos se despedimos com o triste e saudoso adeus a Nossa Senhora da Sanguinheira deixando-a ali na sua casa (Capela de Nª Sra. Da Sanguinheira) com a promessa de regresso para o próximo ano e que assim seja para todos nós!
Um Bem-Haja a todos os que fizeram parte da organização desta Festa, bem como a todos os que nesta marcaram presença e foram muitos… sem eles nada disto seria possível, um muito obrigado a todos e que sejam cada vez mais !!!
Com a promessa de um até para o ano, cumprimentos:
Ana Paula Mendes Nunes da Conceição Horta in "Alto Alentejo" - 12/9/2012

 
 

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Aconteceu… Época medieval em Amieira do Tejo



Foi nos passados dias 22, 23 e 24 de Junho que em Amieira do Tejo no Castelo D´Nuno Alvares Pereira que se recriou a época medieval.
Figurantes vestidos a rigor à época abrilhantaram um cenário de verdadeiros tempos medievais. O que todos os presentes poderam assistir foi um verdadeiro cenário desses tempos primórdios há muito já passados, o que nunca é demais recriarem esses tempos que já lá vão para quem não os viveu os possa sentir na primeira pessoa.
O sitio do cenário não podia deixar de ser o mais emblemático, pois este castelo é de uma beleza única e o seu enquadramento não podia ser melhor, proporcionou a todos os que quiseram assistir, a esta recriação medieval momentos mágicos de rara beleza para a época em questão.
É de louvar iniciativas como estas para dar a conhecer uma época que foi tão importante na conquista da nossa história, Mas, palavras para quê? Quando os nossos olhos puderam vislumbrar momentos únicos.
Na própria pessoa o que posso dizer a todos os que fizeram parte deste evento tão bem elaborado a uma reconstituição à época medieval, é um grande bem-haja, os parabéns a todos vós e continuem a ter iniciativas como estas para que possam levar o bom nome da Amieira do Tejo além-fronteiras, o que tanto orgulho nos dá, e quem sabe a próxima vez não seja já para o ano.
Através dos figurantes foram recriados os ofícios da época, as vestes, as danças, o convívio entre eles, as suas vivências, conquistas, bem como outras coisas alusivas à época Medieval!
Um bem-haja a todos!
8 de Agosto de 2012
Ana Paula Mendes Nunes da Conceição Horta

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Exposição Interpretativa e Protocolo para Gestão do Castelo

 Na próxima sexta feira, 8 de Junho, pelas 17H30, ocorrerá no Castelo de Amieira do Tejo, no concelho de Nisa, a inauguração de uma Exposição Interpretativa do Castelo e da exposição fotográfica “Vertical”, de António Alfarroba. Na ocasião, será assinado um protocolo entre a Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCALEN) e a Câmara Municipal de Nisa, relativo à futura gestão do Castelo.
A Exposição Interpretativa do Castelo de Amieira do Tejo pretende funcionar como um pequeno percurso interpretativo do monumento no que respeita à sua vertente militar, para que o visitante perceba como funcionava este belo exemplar gótico, que para a altura (seculo XIII) foi uma construção exemplar e arrojada. Ficamos também com a noção de que o castelo foi o grande impulsionador no desenvolvimento da povoação e da utilidade deste monumento ao longo dos tempos para as pessoas
O protocolo relativo à gestão do Castelo de Amieira do Tejo que a DRCALEN e a Câmara de Nisa vão assinar surgiu da necessidade de reformular o que foi firmado em 2009 face às obras de requalificação que a Torre de Menagem sofreu no ano passado, que a dotaram de novas condições em termos museológicos.
Este novo protocolo atribui a totalidade da receita da bilheteira ao município, introduz a necessidade de uma maior comunicação entre as duas partes no que respeita á programação cultural do monumento, elaborando-se para tal um Plano de Atividades conjunto. Nas restantes cláusulas são abordadas questões referentes á manutenção e abertura do espaço que são da responsabilidade do Município com o apoio da Junta de Freguesia de Amieira do Tejo.
É notório neste novo documento que o Município adquire mais autonomia na gestão do castelo e consequentemente mais responsabilidade, havendo também a hipótese se divulgarem produtos da terra que promovam a Amieira do Tejo e que se distingam pela sua qualidade. 

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Workshop "Execução de Vestuário Medieval"

A Associação de Recriação Histórica – Guildas Áureas, em associação com a Junta de Freguesia de Amieira do Tejo, realiza o workshop Execução de Vestuário Medieval nos dias 5 e 6 de Maio de 2012 em Amieira do Tejo.
A Associação de Recriação Histórica, que trabalha sobretudo em História Medieval, desenvolve este workshop de grande interesse. A todos os apaixonados pelo quotidiano Medieval recomendamos este workshop como introdução a uma área delicada e pouco trabalhada, pelo menos no contexto nacional, o vestuário e como fazê-lo.
Para mais informações deixamos aqui o email: guildasaureas@gmail.com
O site da associação: http://www.guildas-aureas.pt/

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Amieira do Tejo assinala 500 Anos do Foral

Quatro povoações do concelho de Nisa, assinalam durante o ano, 500 Anos da Concessão de Foral. Além de Nisa, sede do município, Alpalhão, Montalvão e Amieira do Tejo, que constituíram antigos concelhos comemoram a concessão do 2º foral, ou Foral Novo, atribuídos pelo rei D. Manuel I.
Do mesmo modo, a povoação de Tolosa, assinala os 750 anos da atribuição do 1º Foral, datado de 1262.
Carta de Foral
Desde o início da nossa nacionalidade que se sentiu a necessidade de criar e adequar um conjunto de leis que visassem a protecção da população, a normalização das várias actividades, a moralização dos costumes e actualizar o plano fiscal.
A carta de foral adquire uma dimensão prática depois da sociedade mais estabelecida. No fundo estes documentos eram a base do estabelecimento de um Município, e por conseguinte um evento muito importante na história de qualquer vila ou cidade.
A Carta de Foral serviu desde o século XII como um elemento importante nas relações entre a população os municipais e o Rei. Era no fundo o regulador desta relação, imprescindível numa altura em que os grandes senhores ainda dominavam grandes territórios em desfavor da Coroa.
No entanto, passados alguns séculos estes documentos já não respondiam às necessidades da população, por estarem escritos, na sua maioria num latim bárbaro, já pouco perceptível, o que originava más interpretações dos oficiais municipais muitas vezes em desfavor do povo e por estarem em muito mau estado de conservação.
Assim, o Rei Manuel I deu ordem em 1497, para que fossem recolhidos todos os velhos forais do reino, com o objectivo de os refazer e actualizar. Para essa tarefa foi escolhido o seu cavaleiro de confiança Fernão Pina, mas não foi finalizada por este, nem pelo monarca, uma vez que este levantamento prolongou-se até 1520.
O Novo Foral ou Foral Manuelino, tinha como objectivo de uma forma muito sucinta, demarcar os limites territoriais estabelecendo as relações económicas e sociais entre as entidades outorgadas e as outorgantes, definindo os tributos a pagar pelos primeiros e tinha acima de tudo um carácter fiscal.
Eram descriminados os lugares no conselho, eram descriminadas as dívidas á coroa que eram pagas em géneros alimentícios ou dinheiros reais.
Estes Forais foram reunidos no chamado Livro dos Forais Novos, ou Leitura Nova, por estar escrita no chamado gótico librário.
A par destas comemorações, a freguesia de Tolosa irá também celebrar a entrega do 1º Foral á vila, datado de 1262 e entregue pelo Prior do Crato. Este foral seguiu o modelo do de Évora de 1166.
Fonte: CMNisa

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Evocação de João de Matos Rico

O CASTELO DE AMIEIRA
Mote
É um castelo sem par
O castelo de Amieira
A muitos faz recordar
O D. Nuno Álvares Pereira
É um monumento tão belo
O qual é para admirar
Por isso o nosso castelo
É um castelo sem par!

Para quem vem de Álvaro Gil
Fica ao cimo da Ribeira
É cheio de encantos mil
O castelo de Amieira.

É uma jóia perdurável
Que todos devemos estimar
A fama do Condestável
A muitos faz recordar.
Uma personagem da História
Nele esteve em Amieira
Que a ninguém sai da memória
O D. Nuno Álvares Pereira.
João de Matos Rico - Poeta popular amieirense