quarta-feira, 24 de março de 2010

Amieira viveu as festividades dos Passos






Domingo 21 de Março, chegava a Primavera e com ela mais um dia, em mais um ano em que se iria realizar a procissão do Senhor dos Passos. A pacata aldeia de Amieira do Tejo amanhecia com um imenso nevoeiro serrado, mas quis o Senhor dos Passos que o seu dia se torna-se num lindo dia de Sol radioso, e foi o que aconteceu, o nevoeiro levantou e o Sol raiou, brilhou diante dos nossos olhos aquecendo-nos a alma e o coração, transformando esta linda tradição religiosa num acto de fé contagiante e sereno.
Eis que saia então o Senhor dos Passos por volta das 16:30h da capela do calvário até á igreja matriz, onde se realizou a simbólica missa. Pouco tempo depois saia da igreja ao encontro de sua mãe, e este encontro estava cada vez mais perto, teria lugar na praça Nun’ Alvares Pereira junto ao Castelo, foi o que aconteceu, e como sabeis não há encontro mais doloroso, comovente e emocionante do que o encontro de uma mãe com um filho que está em sofrimento.
É no fundo o que simboliza este acto diante de nós e nos transmite sentimento de tristeza, dor, saudade e arrependimento, mas acima de tudo, amor a Jesus, à sua mãe e ao próximo.
E a via-sacra continuava…
Saindo da praça Nun’ Alvares Pereira o senhor dos Passos já caminhava junto de sua mãe numa caminhada dolorosa até ao Calvário, nesta caminhada juntaram-se novos e velhos, todos eles num grande acto de fé e amor ao senhor Jesus, a grande razão do nosso existir.
Foi lindo e comovente de ver os jovens e amigos da terra carregarem o andor do Senhor Dos Passos desde o começo ao fim da caminhada. Com isto mostra que afinal os jovens também nutrem de verdadeiros sentimentos de responsabilidade, respeito e amor, ao contrário do que muitas vezes lhes atribuem.
Deste modo, a todos eles muito obrigado e um grande bem-haja pela presença e preciosa ajuda na contribuição deste acto religioso, e a todos os que estiveram presentes para que esta tradição tão desejada e amada se mantenha até ao fim da nossa existência, mesmo aos que apenas estiveram presentes somente de coração, o meu (nosso) muito obrigado ficando aqui desde já um pedido caloroso para que voltem sempre!!!
Texto e fotos de Ana Paula Mendes Nunes da Conceição Horta

sexta-feira, 19 de março de 2010

A PROPÓSITO DO DIA DO PAI

Carta aos meus queridos pais....
Como é bom poder dizer que tenho pais. De poder chamar-vos queridos pais. Se antes não vos dizia, agora tenho vontade de dizê-lo. O que antes não me dizia nada, agora, diz-me tudo.
Tarde de mais... é o que penso, é o que sinto, e como este sentimento me deixa tão triste... me faz sentir mal! Mas acreditem queridos pais, que não foi, nem era por mal, a culpa foi sempre da distância, é que antes estavam perto, mas agora... agora estão tão longe...! E como sempre, só damos o verdadeiro valor, e sentimos a falta de quem gostamos quando as perdemos ou quando estão longe de nós, longe da nossa vista, mas nunca do nosso coração! Preciso de dizer-vos que sinto a vossa falta, tenho saudades vossas, e amo-vos tanto!
Se antes não vos dizia, embora o sentisse, agora quero dizê-lo, que vos amo tanto, tanto, mas tanto!
Queridos pais, se antes havia coisas que não vos fazia, nem dizia, era porque estavam aqui mesmo ao lado, afinal a distância era tão curta... e no fundo nunca nos passa pela cabeça, ou não queremos pensar, que o que gostamos e nos faz sentir bem um dia tem e pode chegar ao fim, pois nada, nem mesmo o tempo é eterno e foi o que aconteceu... esse dia chegou, tinha de chegar!
A casa que habitaram estes últimos 14 anos de 1987 a 2008 em que estiveram por Lisboa, não era a vossa, era a vossa, era-vos apenas emprestada, a vossa sim, estava à espera, à espera de quem lhe pertencia, e esse alguém são vocês queridos pais, por isso, aproveitem-no bem, essa é que é a vossa casa, é aí que têm de ser felizes, na linda e tranquila Amieira.
Queridos pais, o meu coração chora, chora de saudades de tudo o que poderíamos ter feito juntos, e não fizemos... E tudo isto, quando estávamos quase a dois passos. Mas, o que lá vai, lá vai... Há que seguir em frente, e há que enfrentar a vida como ela se apresenta diante de nós, no nosso dia-a-dia...
E uma coisa é certa, sempre fizemos e demos tudo o que podia-mos, e quando assim é, já é de louvar, pois não devemos fazer o que não se pode, mas sim, o que se pode e quando se pode! E como tristezas não pagam dividas então não há razão para eu ficar nem andar triste, pois ainda vos tenho, e não pode haver maior alegria, que é poder olhar-vos nos olhos, dizer-vos que vos amo e chamar-vos de meus queridos pais!
P.S.: Esta carta é para os meus pais: Manuel Nunes da Conceição e Maria Antónia Estrada Mendes da Conceição, os quais eu amo muito. Quero que saibam que as boas recordações nunca morrem, ficam para sempre guardadas no pensamento e no coração terão de ser recordadas com um sorriso nos lábios, uma pontinha de saudade, e até se for preciso... com lágrimas de felicidade!
Todas as outras recordações, menos boas, essas... são para simplesmente esquecer! Queridos pais, de uma coisa, podem ter a certeza, tanto vós como eu, e os meus irmãos, jamais esqueceremos os anos passados na Quinta do Palácio Marquês da Fronteira em Lisboa, isso ninguém nos pode tirar, estão bem guardados no nosso coração, foram anos preenchidos de tudo, e de nada... foi simplesmente o dia-a-dia da vida!!!
Mas agora, á que seguir em frente... De uma coisa tenho a certeza, sempre tive boas razões para ir até á nossa linda e tranquila Amieira, mas agora tenho razão ainda maior... vocês!!!
Com amor, da vossa filha:
Ana Paula Mendes Nunes da Conceição Horta
Com esta carta aos meus pais gostaria de transmitir ás pessoas que devemos aproveitar e tirar partido das pessoas que mais amamos enquanto as temos ao nosso lado, para que um dia mais tarde... não reste apenas um vazio!

sábado, 13 de março de 2010

AMIEIRA DO TEJO: Festa do Senhor dos Passos

Realiza-se no próximo dia 21 de Março a tradicional Festa em honra de Nosso Senhor dos Passos, em Amieira do Tejo. O programa será o seguinte:
10 horas - Chegada da Banda de Música da Sociedade Instrução Musical Rossiense, de Rossio ao Sul do Tejo - Peditório em Vila Flor e Amieira.
16,30horas - Concentração na Igreja do Calvário e início da procissão até à Igreja Matriz, onde será celebrada a Santa Missa.
Após a Missa, continuação da procissão pelas principais ruas da Vila,terminando na Igreja do Calvário.
A organização apela a todos os Amieirenses e Amigos de Amieira para com a sua presença ajudarem a manter esta tradição, tão característica da religiosidade de Amieira.

Eleitos do PSD questionaram Câmara sobre vedação no acesso ao Tejo


Os eleitos do PSD na Assembleia Municipal de Nisa, questionaram a Câmara sobre a vedação da estrada de acesso ao rio Tejo em Amieira, tendo apresentado uma proposta sobre o assunto, que se transcreve:
“Considerando que chegou ao nosso conhecimento que: a estrada ex-EN 359 junto ao rio Tejo, terá sido vedada, com uma estrutura metálica, tipo portão, impedindo o livre acesso ao cais, centenário, que ali existe;
Considerando que o princípio da liberdade é um direito fundamental na Constituição Portuguesa; Considerando que com a prática de tal acto o citado princípio se encontra violado, impedindo, no referido caminho público a livre circulação de pessoas, no acesso ao rio Tejo, no local denominado Barca-da-Amieira;
Considerando que quem praticou ou mandou praticar tal acto, cometeu o crime, não sabemos se consciente ou inconscientemente, de abuso de poder, propomos:
1 - Que esta Assembleia através do seu Presidente dê a conhecer tal realidade a todos os Vereadores da Autarquia;
2 - Que se conceda um prazo de sete dias, a quem praticou ou mandou praticar tal acto, para repor a legalidade violada, uma vez identificado o autor;
3 - Que no caso de a livre circulação de pessoas no citado local não ser reposta no prazo concedido, deverá o Senhor Presidente da Assembleia, participar para os devidos e legais efeitos tal realidade ao Ministério Público.”
Mário Mendes in "O Distrito de Portalegre"